Falta de mão de obra no Japão leva atacadista de maçãs a recorrer à IA

Uma grande região produtora de maçãs do norte do Japão está recorrendo à funcionalidade da inteligência artificial (IA) para a separação de frutas danificadas diante da escassez de mão de obra no país.

Um atacadista de maçãs com sede em Hirosaki, cidade da província de Aomori, construiu um novo centro de classificação com financiamento do governo. O centro dispõe de equipamento que, com o uso da inteligência artificial, detecta eventuais danos em maçãs e avalia a sua gravidade.

A empresa atacadista Goldnouen informa que a tarefa tem sido realizada até agora por funcionários experientes. O plano é de atribuir velocidade ao sistema de IA na safra deste ano com o emprego de dados da classificação que é feita manualmente. A meta é automatizar o processo a partir de 2025.

Ishioka Shigeyuki, da Goldnouen, comenta: “Por meio da automação, uma quantidade maior de maçãs poderá ser classificada com o emprego do mesmo número atual de trabalhadores. O objetivo é atender com eficiência às necessidades de embarque dos produtores.”

Ishioka prevê que o novo equipamento aliviará a carga de trabalho dos funcionários e tornará possível um aumento aproximado de 20% no número de maçãs embaladas a cada dia.