Morre aos 90 anos japonês descobridor de estatinas que reduzem colesterol

Morreu no dia 5 de junho, aos 90 anos, o bioquímico japonês Endo Akira, que descobriu estatinas redutoras de colesterol que revolucionaram a prevenção e o tratamento de doenças coronárias.

Ele nasceu na província de Akita, no nordeste do Japão, em 1933, e se formou na Faculdade de Agricultura da Universidade de Tohoku. Após se formar, conseguiu um emprego em uma empresa farmacêutica.

Enquanto trabalhava na empresa, no início da década de 1970, Endo começou a desenvolver medicamentos para combater o colesterol, cujo acúmulo pode levar ao endurecimento das artérias. Em 1973, o cientista descobriu que uma substância chamada estatina, gerada por um fungo que provoca bolor azul, inibia a produção de colesterol e reduzia consideravelmente seus níveis no sangue.

A primeira droga contendo estatina foi comercializada nos Estados Unidos, em 1987, como medicamento para a arteriosclerose. Dois anos depois, o remédio também se tornou disponível no Japão. Em determinado momento, as estatinas foram tidas como o medicamento mais vendido no mundo.

Endo Akira recebeu vários prêmios prestigiosos por suas conquistas, como o Prêmio Laskar, nos Estados Unidos, em 2008; e o Prêmio Internacional Canada Gairdner, em 2017. Ele também foi homenageado no Japão, em 2011, como Pessoa de Mérito Cultural.

Endo atuou como ilustre professor emérito na Universidade de Agricultura e Tecnologia de Tóquio, onde também havia lecionado.

Segundo fontes próximas ao cientista, Endo Akira morreu em uma casa de repouso na capital japonesa.