Premiê do Japão instrui governo a apressar proposta de legislação para 'defesa cibernética ativa'

O primeiro-ministro do Japão instruiu o governo a apressar esforços para adoção de um sistema que seja capaz de evitar ataques cibernéticos no país. Kishida Fumio pediu a preparação de necessários anteprojetos de lei o mais rápido possível.

Uma comissão de especialistas criada pelo governo reuniu-se pela primeira vez nesta sexta-feira para discutir a adoção da chamada defesa cibernética ativa. Entre os 17 integrantes da comissão estão o ex-embaixador do Japão nos Estados Unidos Sasae Kenichiro e o professor associado da Universidade de Tsukuba Ochiai Yoichi.

Também estavam presentes no encontro o premiê e o ministro da Transformação Digital, Kono Taro.

Kishida afirmou que aumentar a capacidade de defesa cibernética é uma necessidade cada vez mais premente em meio à atual situação de segurança nacional. O primeiro-ministro instou a comissão a debater ativamente o assunto e a comunicar prontamente os resultados.

A expectativa é de que o sistema que o governo planeja adotar possa identificar suspeitos de realização de ataques cibernéticos com base em informações obtidas de empresas de telecomunicações. Além disso seria capaz de interferir em fontes potenciais de ataques e incapacitá-las antes da própria realização dos ataques.

A comissão de especialistas deverá discutir aspectos específicos da constituição do novo sistema.

Outra questão em pauta são meios de evitar que medidas executadas pelo sistema infrinjam a garantia constitucional do sigilo em qualquer meio de comunicação.