Hamas rejeita proposta de cessar-fogo em Gaza sem cessação definitiva dos combates

O grupo islâmico Hamas anuncia que não concordará com uma nova proposta de cessar-fogo na Faixa de Gaza e a libertação dos sequestrados, a menos que Israel garanta uma cessação definitiva dos combates e retire integralmente as suas tropas.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou sexta-feira que Israel havia proposto ao Hamas um acordo de três etapas que inclui um cessar-fogo de seis semanas e a libertação dos sequestrados.

Em nota divulgada na terça-feira, o Hamas diz não poder concordar com uma proposta que não garanta ou não certifique uma cessação definitiva dos combates e uma retirada completa da Faixa de Gaza.

O primeiro-ministro de Israel reiterou a posição de que não haverá uma cessação definitiva dos combates até uma eliminação total do Hamas. Benjamin Netanyahu não se pronunciou, porém, a respeito da nova proposta.

Também na terça-feira, o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, informou que o diretor da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos viajaria para o Catar. No país do Oriente Médio, William Burns pretenderia se reunir com o primeiro-ministro, o xeque Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani, e outras autoridades. O objetivo é ouvir diretamente autoridades do Catar que negociam com o Hamas.

Intensos ataques das forças israelenses prosseguem na Faixa de Gaza. O número de vítimas civis vem aumentando, passados quase oito meses do início dos combates.