EUA condenam realização de “disparos de artilharia" pela Coreia do Norte

A Coreia do Norte afirma que realizou uma demonstração de disparos envolvendo vários lançadores de foguetes. O anúncio foi feito um dia depois de o país ter supostamente lançado mísseis balísticos.

O jornal do governista Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, Rodong Sinmun, noticiou o feito na sexta-feira (31). Diz que o líder do país, Kim Jong Un, supervisionou o disparo da artilharia de foguetes de 600 milímetros de calibre.

Uma foto mostra 18 mísseis sendo disparados simultaneamente de lançadores móveis.

Segundo o periódico, a artilharia atingiu um alvo insular a 365 quilômetros de distância. A mídia sul-coreana afirma que uma grande base aérea de Seul pode estar dentro do alcance dos mísseis.

Forças sul-coreanas afirmam que Pyongyang lançou mais de 10 projéteis que se acredita serem mísseis balísticos de curto alcance, a partir da área de Sunan, perto capital norte-coreana, na quinta-feira (30).

No mesmo dia, o Departamento de Estado dos EUA disse, em um comunicado, que Washington condena a Coreia do Norte “nos termos mais fortes possíveis”, acrescentando que os lançamentos são violações diretas de várias resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

Acrescentou que os lançamentos servem como um lembrete da necessidade de todos os países implementarem totalmente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU que proíbem Pyongyang de adquirir tecnologias e materiais para promover seus programas de armas de destruição em massa e de mísseis balísticos. Aparentemente, o comentário seria uma indireta à Rússia, já que Moscou está intensificando sua cooperação militar com Pyongyang.