China realiza exercícios militares perto de Taiwan; EUA pedem moderação

Exercícios militares chineses perto de Taiwan foram realizados na quinta e sexta-feira, em meio a pedidos de moderação dos EUA.

Na quinta-feira, o Comando do Teatro Oriental da China anunciou a realização de um exercício de dois dias ao redor de Taiwan, nas Ilhas Kinmen e em outras áreas.

Na sexta-feira, o porta-voz do comando disse em uma postagem de rede social que o objetivo desse exercício é verificar a coordenação entre os ramos militares.

Segundo o Ministério da Defesa de Taiwan, durante as 24 horas até as 6h00 de sexta-feira, foi detectado um total de 49 aeronaves das forças armadas, 19 navios militares e sete embarcações do governo da China nas proximidades do território. A Força Aérea de Taiwan divulgou o que alega serem vídeos e fotos de embarcações chinesas tomados na quinta-feira a partir de um avião de patrulha antissubmarino. Taiwan parece estar tentando mostrar que cada movimento da China estaria sob sua supervisão.

Os militares chineses disseram que o exercício é um aviso contra movimentos pró-independência das forças separatistas em Taiwan.

Pequim manifestou a intenção de aumentar a pressão militar sobre o novo presidente de Taiwan, Lai Ching-te, depois dele ter, em seu discurso de posse, desafiado a alegação do governo chinês de que Taiwan é parte da China.

Na quinta-feira, um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse à NHK que Washington está monitorando de perto a situação em estreita coordenação com Taiwan e insiste veementemente que Pequim aja com moderação.

O porta-voz estadunidense disse que as ações da China podem aumentar a tensão e desgastar normas existentes que mantiveram, por décadas, a paz e a estabilidade da região.