Grupo de sobreviventes japoneses da bomba atômica protesta contra comentários de senador dos EUA

Uma associação de sobreviventes japoneses da bomba atômica apresentou um protesto contra os comentários de um senador dos Estados Unidos sobre os lançamentos de 1945 em Hiroshima e Nagasaki.

A Confederação Japonesa de Organizações de Vítimas das Bombas Atômica e de Hidrogênio (Nihon Hidankyo) afirmou ter enviado uma carta de protesto à Embaixada dos Estados Unidos em Tóquio exigindo que as declarações fossem retiradas.

Em uma discussão do subcomitê do Senado americano, em 8 de maio, sobre a suspensão parcial dos embarques de armas dos Estados Unidos para Israel, o senador republicano Lindsey Graham defendeu a continuidade do fornecimento de armas e se referiu aos bombardeios atômicos sobre as duas cidades japonesas. Ele disse: “Dê a Israel o que ele precisa para lutar na guerra que não pode se dar ao luxo de perder. Isso é Hiroshima e Nagasaki em esteroides.”

Em entrevista à NBC News, no domingo, Graham reiterou que o bombardeio sobre as duas cidades “foi a decisão certa” para acabar com a guerra.

Em carta enviada à Embaixada americana, a organização japonesa afirma que as declarações vão contra o direito internacional humanitário. Ela acrescentou que, agora que o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares entrou em vigor, as declarações só podem ser descritas como uma ilusão anacrônica e maliciosa.

A carta também observa que armas nucleares nunca mais devem ser usadas e não devem ser autorizadas a existir. Diz que sobreviventes da bomba atômica em Hiroshima e Nagasaki têm feito apelos consistentes nesse sentido ao mundo.