Cadernos com nomes de vítimas da bomba atômica são arejados com transmissão ao vivo em Hiroshima

Pela primeira vez, a cidade de Hiroshima transmitiu ao vivo a retirada anual dos cadernos que contêm os nomes das vítimas do bombardeio atômico ocorrido em 1945.

Os cadernos são expostos ao ar livre todos os anos pela cidade no Parque Memorial da Paz como forma de evitar que a umidade danifique o registro, que é armazenado no cenotáfio, memorial em homenagem às vítimas.

O registro inclui 126 cadernos que listam os nomes e as datas de óbito das 339.227 pessoas expostas à bomba e que tenham morrido até 5 de agosto do ano passado.

Na quarta-feira (15), após um minuto de silêncio às 8h15, hora exata em que a bomba atômica foi lançada, cerca de 20 funcionários retiraram os livros, um de cada vez, e os colocaram cuidadosamente sobre um lençol de pano branco.

Os funcionários averiguaram cada página em busca de danos e então deixaram os livros se arejarem ao ar livre.

A cidade de Hiroshima tem pedido às escolas de ensino fundamental que acompanhem o processo de retirada dos cadernos para educar os estudantes sobre a importância da paz.

Como poucas escolas participaram, o município decidiu pela primeira vez transmitir ao vivo o processo de retirada. Três câmeras foram usadas. As gravações serão editadas e depois ficarão também disponíveis on-line.

Uemoto Shinji, funcionário da cidade encarregado das vítimas da bomba atômica, disse que espera que o evento promova uma maior conscientização sobre os grandes danos que as armas nucleares podem causar aos humanos.