Putin diz estar “aberto a um diálogo sobre a Ucrânia” que inclua interesses de Moscou

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse a um meio de comunicação chinês que está “aberto a um diálogo sobre a Ucrânia”. Também indicou que Moscou vê com bons olhos o envolvimento de Pequim em esforços para resolver o conflito.

Na quarta-feira (15), o gabinete presidencial da Rússia publicou online uma entrevista que Putin concedeu à agência estatal chinesa de notícias Xinhua.

A entrevista por escrito foi conduzida antes da viagem oficial de Putin à China. A visita está programada para ocorrer na quinta e na sexta-feira.

A viagem será a primeira visita de Putin ao exterior desde que tomou posse, na semana passada. A cerimônia marcou o início de seu quinto mandato como presidente.

O presidente russo disse: “Elogiamos as abordagens da China na resolução da crise na Ucrânia. Pequim está bastante ciente das profundas causas e do significado geopolítico global do conflito, e isso se reflete em seu plano de 12 pontos.”

A China divulgou o plano, que clama por diálogo e cessar-fogo, em fevereiro de 2023. O documento não pediu pela retirada das tropas russas da Ucrânia.

Os Estados Unidos e outros países rejeitaram a proposta, argumentando que era enviesada a favor de Moscou.

Na entrevista, Putin disse: “Estamos buscando uma solução abrangente, sustentável e justa desse conflito por meios pacíficos”. Acrescentou que a Rússia está “aberta a um diálogo sobre a Ucrânia”.

No entanto, observou que “tais negociações devem levar em conta os interesses de todos os países envolvidos no conflito, incluindo os da Rússia".