Pesquisador chinês no Japão é condenado a 6 anos de prisão na China por espionagem

Um acadêmico chinês indiciado sob a acusação de fazer espionagem para o Japão foi condenado a seis anos de prisão na China.

Yuan Keqin, ex-professor da Universidade de Educação de Hokkaido, no Japão, foi detido em maio de 2019, quando estava em sua terra natal para uma estadia temporária. Posteriormente, ele foi indiciado sob a acusação de estar envolvido em espionagem de longo prazo a pedido da agência de inteligência do Japão.

Fontes próximas a Yuan disseram que ele recebeu a sentença em janeiro em um tribunal em Changchun, província de Jilin, no nordeste da China.

Yuan supostamente planeja apelar em um tribunal superior, mas os detalhes da decisão judicial são desconhecidos.

Quando questionado sobre a condição atual de Yuan em uma entrevista coletiva na terça-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse: “Eu aconselho que entrem em contato com as autoridades competentes para obter detalhes”.

Seus colegas de pesquisa e outras pessoas dizem que ele é inocente e estão pedindo sua libertação imediata.