Painel reconhece 30 mortes relacionadas ao terremoto na província de Ishikawa

Mais de quatro meses se passaram desde que o forte terremoto de primeiro de janeiro atingiu a Península de Noto, na região central do Japão. Um painel de especialistas realizou sua primeira reunião para a certificação de mortes relacionadas a desastres. Até o momento, recomendou que 30 vítimas tivessem suas mortes reconhecidas como relacionadas ao terremoto.

Familiares de pessoas que teriam morrido por estresse ou fadiga enquanto moravam fora de casa devido ao terremoto podem ser elegíveis a receber assistência financeira. Primeiro, é necessário apresentar um pedido de certificação de morte relacionada a desastre.

Governos locais convocaram uma reunião de especialistas para determinar quais mortes atendem aos critérios. O painel se reuniu pela primeira vez na terça-feira (14).

Foram analisados 35 pedidos relacionados a residentes falecidos nas cidades de Wajima e Suzu, bem como na cidade de Noto. Do total, o painel recomendou que 30 vítimas fossem certificadas.

Um especialista diz que é importante continuar apoiando as pessoas afetadas. Okumura Yoshihiro, professor da Universidade de Kansai, disse: “O clima vai ficar quente e as pessoas tendem a perder o ânimo com o calor”. Acrescentou: “Os sobreviventes não devem exagerar em limpezas e em esforços de reconstrução e devem pedir ajuda aos mais jovens.”

Até agora, governos municipais receberam pelo menos 100 pedidos de certificação. O número de mortes relacionadas a desastres pode aumentar significativamente à medida que o processo de triagem avança.