Combates deslocam mais cidadãos em Mianmar, um ano após ciclone mortal

Habitantes de Mianmar, que sobreviveram a um ciclone mortal ocorrido há um ano, encontram-se, agora, ameaçados por uma irrupção de combates que está interrompendo os trabalhos de restauração e deslocando mais cidadãos.

O ciclone Mocha atingiu Mianmar no dia 14 de maio do ano passado, deixando pelo menos 455 mortos, principalmente no estado de Rakhine, na região ocidental do país. Estima-se que cerca de 7,9 milhões de pessoas no país tenham sido afetadas pelo desastre.

Forças de minorias étnicas lançaram ataques contra os militares de Mianmar em Rakhine no segundo semestre do ano passado. Segundo a Organização das Nações Unidas, uma nova eclosão de hostilidades deslocou mais de 350 mil pessoas no estado até o início de maio.

O escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, ou ACNUR, está preocupado com a perspectiva de que haja um aumento ainda maior no número de pessoas deslocadas internamente.

Babar Baloch, do ACNUR da região da Ásia e do Pacífico, disse à NHK que “as pessoas foram duplamente, ou até triplamente afetadas” com o início dos conflitos enquanto elas se recuperavam de um desastre natural. Baloch acrescentou que, a menos que os combates sejam interrompidos, será muito difícil para os habitantes reiniciarem suas vidas normais.