Tesoureiro de facção de partido governista do Japão admite maioria das acusações em julgamento

O tesoureiro-chefe da maior facção do Partido Liberal Democrático (PLD), o principal da coalizão governista do Japão, admitiu que não declarou receitas no valor equivalente a milhões de dólares em relatórios de fundos políticos.

Matsumoto Junichiro é acusado de não ter declarado 675 milhões de ienes, ou cerca de 4,3 milhões de dólares, em receitas obtidas em eventos de arrecadação de fundos realizados pela facção no período de cinco anos até 2022. A ala já foi liderada pelo falecido ex-premiê Abe Shinzo.

Os promotores também acusaram Matsumoto de não mencionar nos relatórios que a facção ofereceu propinas aos escritórios de seus legisladores, cujo valor totaliza aproximadamente a mesma quantia.

O julgamento de Matsumoto teve início no Tribunal Distrital de Tóquio na sexta-feira. Ele declarou que a maioria das acusações contra ele é verdadeira.

Os promotores apresentaram acusações contra dez pessoas envolvidas no escândalo. Acusaram os indivíduos de violarem a lei de controle de fundos políticos, e Matsumoto é o primeiro a ser julgado.