Rússia coloca presidente da Ucrânia em lista de procurados

O Ministério do Interior da Rússia anunciou que colocou em uma lista de procurados o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy.

Também foram incluídos na lista o ex-presidente da Ucrânia Petro Poroshenko — no cargo por cinco anos a partir de 2014 — e o comandante das forças terrestres do país, Oleksandr Pavliuk.

Sem dar detalhes, autoridades russas mencionaram sábado transgressões ao direito penal russo.

Em nota de resposta divulgada no mesmo dia, o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia refere-se ao mandado de prisão expedido pelo Tribunal Penal Internacional contra o presidente da Rússia, Vladimir Putin, por acusações de crimes de guerra.

Segundo a nota da chancelaria, o anúncio de que Zelenskyy teria sido colocado na lista de procurados demonstra “o desespero da máquina estatal e da propaganda russas, que não sabem mais o que inventar para chamar a atenção”.

O Instituto para o Estudo da Guerra, dos Estados Unidos, avaliou sábado que a decisão do Kremlin provavelmente integra uma operação militar de informação e esforços mais amplos “para desacreditar os governos ucranianos pró-ocidentais atual e anteriores”, assim como “isolar diplomaticamente a Ucrânia”.

Na terça-feira, Putin inicia o seu quinto mandato como presidente da Rússia. Na quinta-feira, o país celebra a data de encerramento da 2ª Guerra Mundial, com o Dia da Vitória. Observadores veem o anúncio feito por Moscou como nova tentativa de justificar a invasão da Ucrânia antes do início do próximo mandato de Putin e da efeméride da 2ª Guerra.