Novo mecanismo para monitorar sanções à Coreia do Norte é solicitado por 49 países e a União Europeia

Quarenta e nove países e a União Europeia emitiram declaração conjunta, que pede a criação de um novo mecanismo para o monitoramento de sanções impostas à Coreia do Norte.

Uma comissão de especialistas formada pelo Conselho de Segurança da ONU com este encargo foi dissolvida em 30 de abril, depois que a Rússia vetou uma resolução para prolongar o seu mandato. A comissão preparava relatórios e análises sobre modos pelos quais a Coreia do Norte se esquiva de sanções e dá continuidade a seus programas de desenvolvimento nuclear e de mísseis.

A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas proclamou quarta-feira a declaração conjunta na sede da ONU em Nova York. Linda Thomas-Greenfield afirmou que o fato de a Rússia ter empregado o seu poder de veto “impede que nações integrantes da ONU obtenham informações e orientações vitais para a aplicação de medidas decididas pelo conselho”.

Ela exigiu que a Coreia do Norte abandone seus programas de armas de destruição em massa e mísseis balísticos.

A embaixadora explicou: “Diante do imperativo que recai sobre todas as nações integrantes da ONU de cumprir as resoluções relacionadas do Conselho de Segurança, e com a extinção da comissão, precisamos estudar agora meios de continuar a ter acesso a esse tipo de análise objetiva e independente”. Ela acrescentou: “Esperamos contar com o esforço de todos os Estados-membros para tornar isso possível”.