Líderes israelenses temem possíveis mandados de prisão pelo Tribunal Penal Internacional

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, reagiu fortemente a reportagens da mídia que indicam que o Tribunal Penal Internacional (TPI) pode vir a emitir mandados de prisão para altos funcionários do governo israelense.

As reportagens foram publicadas na imprensa israelense e americana. O TPI tem dado continuidade à investigação sobre a ofensiva militar de Israel na Faixa de Gaza.

Em comunicado emitido na terça-feira (30), Netanyahu criticou a possível movimentação do tribunal. Afirmou: “Israel não está sequer sujeito à jurisdição do TPI”. Acrescentou que, se o tribunal emitir mandados de prisão contra comandantes militares e representantes de Estado de Israel por crimes de guerra, será “um ultraje de proporções históricas”.

Na terça-feira, o presidente de Israel, Isaac Herzog, emitiu uma declaração em que diz: “Oponho-me inequivocamente a qualquer tentativa de abusar de instituições jurídicas internacionais — incluindo o TPI — para negar ao Estado de Israel seus direitos fundamentais”.

O site de notícias americano Axios informou que, no domingo, Netanyahu pediu ao presidente dos EUA, Joe Biden, que ajudasse a impedir que o TPI emitisse mandados de prisão para altos funcionários israelenses.