Relatório da UNRWA diz que Israel não comprova envolvimento de funcionários da agência em ataque do Hamas

Um grupo que lidera uma análise da Agência das Nações Unidas aos Refugiados da Palestina, UNRWA, na sigla em inglês, diz que Israel ainda não forneceu evidências que dão suporte às alegações de que alguns funcionários da entidade estavam envolvidos no ataque do Hamas a Israel, em outubro do ano passado.

O grupo de análise independente iniciou uma investigação no mês de fevereiro, após as alegações de Israel terem levado alguns países doadores a suspenderem financiamentos à agência.

A ex-ministra das Relações Exteriores da França, Catherine Colonna, que lidera o grupo, anunciou a divulgação do relatório final em uma entrevista coletiva concedida na segunda-feira.

O relatório diz: “Israel fez afirmações públicas de que um número significativo de funcionários da UNRWA eram membros de organizações terroristas, no entanto, ainda não forneceu evidências que comprovam a acusação.”

O relatório afirma também: “A UNRWA estabeleceu um grande número de mecanismos e procedimentos para garantir a conformidade com os cinco princípios humanitários, dando ênfase no princípio da neutralidade”.

Também diz que a agência possui “uma abordagem de neutralidade mais desenvolvida do que outras entidades similares das Nações Unidas ou ONGs”.

No entanto, o documento observa que “apesar dessa sólida estrutura, problemas relacionados à neutralidade persistem”, e propõe medidas para resolver essas questões, incluindo supervisão interna aprimorada e treinamento.

Colonna disse aos repórteres que, neste momento crítico, a UNRWA desempenha um papel vital na assistência humanitária em Gaza.

Ela pediu à comunidade internacional a estar lado a lado com a agência para que ela possa cumprir sua missão.