Oposição conquista grande número de assentos em eleições gerais no Paquistão

A comissão eleitoral do Paquistão afirma que candidatos independentes da oposição apoiados pelo ex-primeiro-ministro preso Imran Khan conquistaram muitos assentos nas eleições gerais de quinta-feira. Apesar disso, não conseguiram obter maioria no Parlamento, levando o partido governista a iniciar negociações de coalizão.

A comissão informou, no domingo, que candidatos afiliados a Khan e outros postulantes independentes garantiram 101 dos 266 assentos disputados por votação direta.

Acrescentou que 75 assentos foram para o partido governista Liga Muçulmana do Paquistão-Nawaz (LMP-N), liderado pelo ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif.

Analistas acompanhavam de perto para ver se o partido de Sharif, que supostamente tem laços favoráveis com os militares, manteria as rédeas do governo.

Khan lidera o partido de oposição Movimento Paquistanês pela Justiça (PTI, na sigla original), que tem alta popularidade entre os eleitores jovens. O ex-astro do críquete estava inelegível no pleito por estar preso por corrupção e outras acusações. Candidatos de seu partido tiveram que concorrer de forma independente.

Apesar do anúncio da comissão eleitoral, a expectativa é de que ainda leve mais tempo até que os resultados em alguns distritos eleitorais possam ser finalizados.

Vários candidatos afiliados ao PTI reclamaram sobre os resultados a tribunais, questionando vitórias concedidas a rivais. Dizem que acreditam ter obtido mais votos do que as contagens divulgadas pelas autoridades eleitorais. O próprio partido também está realizando protestos sobre a questão.

A imprensa local relata que nenhum partido obteve a maioria na eleição, gerando a necessidade de formar um governo de coalizão. O partido de Sharif está atualmente em negociações de coalizão com outras forças, incluindo o Partido Popular do Paquistão (PPP).