Ministra das Relações Exteriores de grupo pró-democracia em Mianmar quer ajuda humanitária do Japão

Nesta quinta-feira faz três anos desde o golpe militar em Mianmar. A junta militar tem se mantido no poder e reprimido civis. Em meio à contínua crise, a ministra das Relações Exteriores de um grupo pró-democracia de Mianmar pediu ao Japão que preste assistência para aliviar a crise humanitária no país.

A junta militar anunciou quarta-feira uma prorrogação do Estado de Emergência por seis meses. Citou, entre outros motivos, o agravamento da insegurança no país. Não há perspectivas de realização de uma eleição para transição a um governo civil.

Zin Mar Aung, do Governo de Unidade Nacional, falou à NHK em entrevista on-line. Ela afirmou que a união de forças com grupos étnicos minoritários na luta contra os militares vem produzindo resultados desde outubro, quando foi iniciada a colaboração. Explicou que as forças pró-democracia tentaram em vão realizar negociações pacíficas com a junta militar.

Zin Mar Aung ressaltou que protestos não violentos têm sido ineficazes porque participantes são presos ou mortos. “Não queremos acabar da mesma forma novamente. As lições devem ser aprendidas.” Ela indicou que o grupo pró-democracia continuará a impor resistência armada contra a junta para derrubá-la.