Sobreviventes do terremoto de Noto buscam normalidade em meio a estragos e falta d'água

Já se passou quase um mês desde que fortes terremotos atingiram a Península de Noto, no centro do Japão, no dia de Ano-Novo. Mais de 230 mortes foram confirmadas e mais de 14.000 pessoas ainda vivem em abrigos.

Somente na província de Ishikawa, 19 pessoas ainda estão desaparecidas e a vida das pessoas que vivem na área continua sendo afetada.

Quarenta mil casas e empresas permanecem sem abastecimento de água – incluindo alguns abrigos.

As pessoas não conseguem lavar a roupa devido à falta de água. Grupos de voluntários estão coletando roupas para lavar de cerca de 50 pessoas que foram evacuadas para uma escola de ensino fundamental na cidade de Nanao.

Seis sobreviventes idosos passaram horas viajando na terça-feira da cidade de Wajima, na província de Ishikawa, para a cidade de Katsuyama, na província vizinha de Fukui. Eles tiveram que deixar o centro de evacuação devido à falta de água.

Enquanto isso, houve progresso na restauração da eletricidade. A Companhia de Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica de Hokuriku afirma que a maioria das quedas de energia provavelmente será resolvida nesta quarta-feira, graças ao trabalho realizado em cooperação com outras concessionárias de energia.