Agência da ONU atesta que liberação de água de Fukushima 1 cumpre padrões de segurança

O órgão de vigilância nuclear da ONU reafirmou que o Japão, ao descarregar no oceano a água tratada e diluída da usina nuclear danificada de Fukushima 1, cumpre os padrões internacionais de segurança.

A força-tarefa da Agência Internacional de Energia Atômica, ao analisar a descarga da água, emitiu na terça-feira seu primeiro relatório completo desde que a liberação da água começou, em agosto.

A agência disse em seu relatório anterior, de julho, que considerou que o plano do Japão para lidar com a água tratada satisfaz os padrões internacionais de segurança. Acrescentou que a descarga no plano atual teria um impacto radiológico insignificante para a população e para o meio ambiente.

Em seu mais recente relatório, a AIEA reiterou suas conclusões, com base na primeira missão de revisão da força-tarefa após o início da liberação da água.

A delegação enviada ao Japão em outubro incluiu especialistas de 11 países, incluindo Reino Unido, Coreia do Sul e China. A China tem se oposto à descarga.

O governo do Japão planeja explicar o mais recente relatório da AIEA a países vizinhos, como a China, para ampliar a compreensão acerca da segurança do plano de descarga.

A água usada para resfriar o combustível derretido em Fukushima 1 está se misturando com chuva e águas subterrâneas. A água acumulada está sendo tratada para que se remova a maioria das substâncias radioativas, mas ainda contém trítio.

Antes de liberar a água no oceano, a concessionária da usina a dilui para reduzir os níveis de trítio até cerca de um sétimo do nível recomendado pela Organização Mundial da Saúde para água potável.