NHK Responde: Criando filhos em comunidades locais (4) – Frequência escolar na educação infantil

A NHK responde a perguntas relacionadas à garantia do bem-estar no dia a dia. Nesta série, compartilhamos informações sobre serviços e instalações que oferecem apoio a residentes estrangeiros que criam filhos, desde recém-nascidos até crianças em idade pré-escolar. Desta vez, vamos falar sobre a frequência escolar de filhos de estrangeiros na educação infantil.

Um levantamento de 2022 conduzido em conjunto pela Fundação Internacional de Kanagawa e pela cidade de Ayase, na província de Kanagawa, apurou que 41% das crianças estrangeiras com idades entre 3 e 6 anos não frequentavam o “hoikuen”, ou creches, nem o “yochien”, ou jardins de infância. Isso é 8,5 vezes o número de crianças japonesas, que ficou em 4,8%. Especialistas apontam vários fatores. Segundo eles, por exemplo, os residentes estrangeiros podem não reconhecer totalmente a necessidade de seus filhos receberem essa educação. Além disso, os processos de matrícula podem ser difíceis de serem entendidos por alguns desses pais. Também há casos em que crianças estrangeiras são rejeitadas.

O “hoikuen” e o “yochien” não fazem parte do ensino obrigatório, mas no Japão existe uma percepção generalizada de que é importante que as crianças se acostumem a viver juntas em grupo desde cedo, pois essas experiências as ajudam quando passam a frequentar escolas de educação básica.

Alguns municípios oferecem serviços de interpretação para ajudar residentes estrangeiros a matricularem seus filhos em pré-escolas japonesas. Consultas sobre esses serviços podem ser feitas nos escritórios municipais.

(Fonte: Criação de filhos no Japão – Da gravidez à matrícula no ensino fundamental/Fundação Internacional de Kanagawa https://www.kifjp.org/child/)

Estas informações são do dia 30 de janeiro.