Sobreviventes do terremoto em Noto enfrentam desafios para reconstruir vidas

Esta segunda-feira marca quatro semanas desde que um grande terremoto atingiu a Península de Noto, no centro do Japão. Mais de 10.000 pessoas ainda estão hospedadas em centros de evacuação na província de Ishikawa.

As autoridades da província dizem que quase 490 centros de evacuação estão abrigando mais de 14.500 pessoas. A piora das condições sanitárias se tornou um problema. Os evacuados estão limpando os abrigos para reduzir o risco de doenças infecciosas.

Mais de 90 pessoas estão supostamente morando em seus carros. As autoridades querem que as pessoas lhes digam onde estão hospedadas para que possam fornecer o apoio necessário.

Os moradores também estão lutando para sobreviver, pois o terremoto afetou gravemente a economia local. Matsuda Tetsuro mantém mais de 100 vacas em sua fazenda na cidade de Suzu.

O terremoto deixou um de seus quatro estábulos inutilizável. Outros ainda não têm água corrente, o que dificulta o cuidado com os animais. Matsuda diz que uma vaca leiteira que produz muito leite bebe cerca de 100 litros de água todos os dias. Ele superou a escassez com água de nascente, mas acabou tendo que desistir de cerca de 40 vacas.

A cidade de Wajima foi devastada pelo terremoto. O prefeito Sakaguchi Shigeru está pedindo apoio de longo prazo.

Ele diz: “Levará muito tempo para reconstruir vidas e meios de subsistência. É necessária assistência de médio e longo prazo para mão de obra, materiais, equipamentos e fundos. Eu gostaria de pedir às pessoas que ofereçam apoio sem ficarem apegadas a precedentes.”

Mais de 43.000 casas, principalmente na região de Noto, foram danificadas. Mais de 42.000 famílias ainda estão sem água corrente na província de Ishikawa.