Informações

NHK responde às dúvidas sobre o novo coronavírus (2)

31. Perda de paladar
32. Infecção de pets pelo novo coronavírus
33. Programas de empréstimos disponíveis para estrangeiros
34. O que fazer diante da dificuldade em pagar aluguel?
35. A que temperatura o novo coronavírus resiste e o cozimento de alimentos é capaz de eliminá-lo?
36. Perguntas sobre visto feitas por estrangeiros no Japão
37. Dúvidas de residentes estrangeiros – Parte 1
38. Dúvidas de residentes estrangeiros – Parte 2
39. Quais cuidados devemos ter ao usar o aparelho de ar-condicionado?
40. Quais cuidados devemos ter ao usar máscara de proteção durante o verão?
41. Os raios ultravioleta do sol ou o ozônio, usado para esterilização, são eficazes contra o novo coronavírus?
42. O que acontece com o coronavírus na pele humana?
43. A vacina BCG é eficaz contra o coronavírus?
44. É possível eliminar o vírus de embalagens ao aquecê-las no micro-ondas?
45. O que acontece com o coronavírus quando ele é congelado?
46. Por quanto tempo o coronavírus sobrevive na superfície de objetos?
47. O coronavírus é transmissível através de dinheiro?
48. Em quais circunstâncias o coronavírus se reproduz?
49. A gripe espanhola e o novo coronavírus
50. Vai haver novas ondas de contágio com o novo coronavírus, como aconteceu com a gripe espanhola?
51. Escovar os dentes ajuda a prevenir a disseminação do vírus?
52. Mosquitos podem transmitir coronavírus?
53. Como funciona o sistema imunológico e qual é a sua importância?
54. Existe alguma relação entre 'ter e não ter anticorpos' e 'testar positivo ou negativo no teste PCR'?
55. Máscaras são eficazes na prevenção de infecção por coronavírus?
56. Como lavar máscaras de pano?
57. O uso de máscara de proteção sem cobrir o nariz
58. Viseiras de proteção facial podem substituir máscaras?
59. Desinfetantes de aerosol usados em tecidos podem ser usados para higienizar as mãos?
60. Que cuidados tomar ao procurar abrigo em meio a um desastre natural durante a pandemia?

<<1-30
61->>




31. Perda de paladar

A especialista em doenças infecciosas Sakamoto Fumie, do Hospital Internacional São Lucas, no Japão, responde a perguntas frequentes sobre o novo coronavírus. Desta vez, a pergunta é sobre o que fazer quando surgir a perda de paladar.

Segundo Sakamoto, fala-se que cerca de até 30% dos pacientes de coronavírus apresentaram sintomas de perda de paladar e de olfato. Caso tais sintomas sejam detectados, existe a possibilidade de que a pessoa esteja infectada pelo vírus. No entanto, sintomas semelhantes também podem surgir quando se está com outra doença infecciosa. Após observar os sintomas por determinado tempo, a pessoa deve considerar se consultar com um médico, caso continue tendo febre ou dificuldade de respirar.





32. Infecção de pets pelo novo coronavírus

Especialistas da NHK respondem a perguntas de nossos ouvintes sobre o novo coronavírus. Desta vez, a pergunta é sobre a infecção de pets pelo coronavírus. Pessoas têm procurado informações a respeito, desde a divulgação de um relato de que o novo coronavírus pode ser transmitido entre gatos.

O professor Kawaoka Yoshihiro, do Instituto de Ciências Médicas, da Universidade de Tóquio, e outros especialistas da Universidade de Winsconsin, infectaram três gatos com o coronavírus e os colocaram junto a gatos não infectados.

Segundo os pesquisadores, os gatos infectados não apresentaram sintomas, mas o vírus foi detectado em todos os animais por meio de esfregaço nasal. Dois dos três gatos continuaram a testar positivo por seis dias.

O grupo afirmou que os três animais não infectados foram colocados junto a os gatos infectados e acabaram testando positivo de três a seis dias mais tarde, indicando o alastramento do vírus.

A equipe declarou que os resultados sugerem que o coronavírus pode se multiplicar rapidamente em órgãos respiratórios e é capaz de se proliferar facilmente entre gatos.

Os pesquisadores disseram que, como gatos podem não apresentar nenhum sintoma e são capazes de disseminar o vírus sem o conhecimento de seus donos, é recomendável que estes mantenham seus pets dentro de ambientes fechados.

Os dados apresentados aqui são referentes a 21 de maio.





33. Programas de empréstimos disponíveis para estrangeiros

Especialistas da NHK respondem perguntas de nossos ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta de hoje é sobre como se inscrever para os programas de auxílio financeiro do coronavírus no Japão.

Os conselhos de bem estar social de cada província criaram um sistema de fundos de empréstimo para lares que estão passando por dificuldades financeiras por interrupção de trabalho. Trata-se de empréstimos que precisam ser reembolsados.

O “pequeno fundo de emergência” destina-se principalmente a lares que sofreram uma queda no rendimento devido a interrupções temporárias de trabalho. O valor disponível é de até 200 mil ienes.

Já o “fundo geral de apoio” é destinado principalmente a lares cujos membros encontram-se desempregados ou tiveram sua renda reduzida. O limite máximo para empréstimos a lares com duas ou mais pessoas é de 200 mil ienes por mês. Para pessoas que moram sozinhas o valor é de 150 mil ienes por mês.

O período dos empréstimos é de três meses, em princípio.

Há um centro de atendimento por telefone disponível (apenas em japonês) diariamente das 9h00 às 21h00. O número do telefone é 0120-46-1999.

Esta informação foi fornecida no dia 22 de maio.

Para maiores informações entre nos seguinte sites:
*Você está saindo do site da NHK WORLD-JAPAN
Português: www.mhlw.go.jp/content/000621225.pdf
Espanhol: www.mhlw.go.jp/content/000621226.pdf
Inglês: www.mhlw.go.jp/content/000621221.pdf
Coreano: www.mhlw.go.jp/content/000621222.pdf
Chinês: www.mhlw.go.jp/content/000621223.pdf
Vietnamita: www.mhlw.go.jp/content/000621224.pdf
Japonês simplificado: www.mhlw.go.jp/content/000621849.pdf

Os dados aqui apresentados são de 13 de maio.





34. O que fazer diante da dificuldade em pagar aluguel?

Especialistas da NHK respondem às perguntas de nossos ouvintes sobre o coronavírus. A questão de hoje é: o que fazer diante da dificuldade para pagar aluguel?

Pessoas que perderam seus empregos ou sofreram redução salarial devido à pandemia podem solicitar ajuda de custo para pagar aluguel. A eligibilidade é determinada com base na avaliação de renda domiciliar e poupança.

A ajuda de custo está disponível apenas para cobrir aluguéis. Empréstimos imobiliários não podem ser cobertos. Os fundos podem cobrir 3 meses de aluguel, até um limite máximo de 9 meses, caso as condições sejam mantidas.

A ajuda de custo para aluguel não terá que ser devolvida.

Antes de solicitar o montante, no entanto, é necessário realizar uma consulta telefônica com o centro de apoio municipal. As consultas são feitas somente no idioma japonês.
O call center está disponível todos os dias das 9h00 às 21h00. O número é 0120-23-5572.

Para maiores informações entre nos seguinte sites:
*Você está saindo do site da NHK WORLD-JAPAN
Português: www.mhlw.go.jp/content/000630862.pdf
Espanhol: www.mhlw.go.jp/content/000633665.pdf
Inglês: www.mhlw.go.jp/content/000630855.pdf
Coreano: www.mhlw.go.jp/content/000630856.pdf
Chinês: www.mhlw.go.jp/content/000630857.pdf
Vietnamita: www.mhlw.go.jp/content/000630861.pdf

As informações aqui disponíveis são do dia 25 de maio."





35. A que temperatura o novo coronavírus resiste e o cozimento de alimentos é capaz de eliminá-lo?

Especialistas da NHK respondem a perguntas de ouvintes sobre o novo coronavírus. Desta vez, a pergunta é “A que temperatura o novo coronavírus resiste e o cozimento de alimentos é capaz de eliminá-lo?”.

Cientistas afirmam que o novo coronavírus é capaz de sobreviver por um dia a até 37 graus, mas que o seu aquecimento a uma temperatura de 56 graus é suficiente para destruí-lo em 30 minutos. Descobriram que o vírus se torna indetectável dentro de cinco minutos quando submetido à temperatura de 70 graus.

Sugawara Erisa, da Sociedade Japonesa de Controle e Prevenção de Infecções, diz não haver casos confirmados de contaminação de alimentos, independentemente de terem ou não sido aquecidos. Esclarece que o cozimento sob calor suficiente destrói o vírus.

Dados de 1º junho





36. Perguntas sobre visto feitas por estrangeiros no Japão

Especialistas da NHK respondem a perguntas de ouvintes sobre o novo coronavírus. Desta vez, duas perguntas, feitas por estrangeiros que moram no Japão. A primeira é “O que acontecerá se expirar o meu visto temporário, estando sem possibilidade de retorno ao meu país?”

Neste caso, o estrangeiro obterá uma prorrogação do visto pelo período de 90 dias. Ver detalhes em: www.moj.go.jp/content/001316293.pdf.

A segunda pergunta é “Em caso de expiração do visto entre março e julho, a autorização de permanência será automaticamente prolongada pelo período de três meses?”

A resposta é “Não”. Contudo, está sendo concedida a estrangeiros uma extensão do visto por três meses na ocasião de renová-lo tanto em caso de alteração da condição de residente como em caso de prolongamento do período de permanência. O objetivo da medida é ajudar a reduzir o congestionamento nos guichês da Imigração. Estando qualificados apenas estrangeiros com expiração de visto entre março e julho deste ano, é concedida uma prorrogação de três meses no período de permanência. Ou seja, se o seu visto expirou em 11 de maio, você terá até 11 de agosto para solicitar renovação.

Informações multilíngue estão disponíveis em: www.moj.go.jp/content/001316300.pdf.

Dados de 4 de junho

Os procedimentos de solicitação de visto estão sujeitos a alterações, principalmente nesta crise do coronavírus.

Como há situações específicas para cada caso, convém esclarecer dúvidas em contato direto com a Imigração.





37. Dúvidas de residentes estrangeiros – Parte 1

Especialistas da NHK respondem a perguntas dos nossos ouvintes sobre o novo coronavírus. Estrangeiros que se encontram no Japão estão recebendo uma extensão de três meses ao pedir renovação de seus vistos, seja para pedidos de mudança de status de residência ou extensões do período de permanência.

A pergunta de hoje é de um estrangeiro residente no Japão: “Eu posso continuar trabalhando durante este período de extensão de três meses, mesmo se meu visto tiver vencido?”

A resposta é “sim”. Você pode continuar trabalhando sob certas condições. A Agência de Serviços de Imigração informou à NHK World no dia 2 de junho que, durante este período especial de extensão, você tem permissão para continuar trabalhando sob exatamente as mesmas condições do seu status de residência anterior. Contudo, se você precisar mudar quaisquer detalhes, como o tipo de trabalho ou o empregador, terá de, antes, fazer uma consulta na Agência de Serviços de Imigração.

A próxima pergunta é “Se eu não puder trabalhar ou estudar, eu vou perder meu atual status de residência como trabalhador ou estudante com permissão limitada de trabalho?”

A resposta é “não”. Seu status não será cancelado se você não tiver condições de trabalhar ou estudar devido ao impacto do coronavírus, mas terá de provar que foi afetado de uma das seguintes formas:

1. Seu empregador ou sua própria empresa tiveram que suspender temporariamente as operações.
2. Você se aposentou e está procurando trabalho online, ou tem uma posição garantida, mas não pode ir à empresa.
3. A instituição educacional onde você está matriculado está fechada, incluindo casos onde você tem data para começar as aulas, mas a instituição continua fechada.
4. Se a instituição onde você estava matriculado fechar e não puder cumprir os procedimentos necessários para sua admissão em outra instituição.
5. Se a hospitalização por alguma doença, incluindo a Covid-19, for longa e você precisar pedir para faltar.

Confira as informações (apenas em japonês) nesta página ou, se tiver dúvidas, entre em contato com a Agência de Serviços de Imigração.

http://www.moj.go.jp/content/001319592.pdf
*Você está saindo do site da NHK WORLD-JAPAN

Estas informações foram fornecidas no dia 5 de junho.





38. Dúvidas de residentes estrangeiros – Parte 2

Especialistas da NHK respondem a perguntas de ouvintes sobre o novo coronavírus. As perguntas de hoje são feitas por estrangeiros que residem no Japão. A primeira pergunta é "Se eu sofrer ou observar discriminações relacionadas à Covid-19, quem devo procurar?"

Consulte o centro multilíngue Yorisoi Hotline em seu website: http://www.moj.go.jp/content/001319592.pdf
*Você está saindo do site da NHK WORLD-JAPAN

O telefone é 0120-279-338 (ligação gratuita).

Para as províncias de Iwate, Miyagi e Fukushima, o número é 0120-279-226.

Ou por meio da página no Facebook: www.facebook.com/yorisoi2foreign
*Você está saindo do site da NHK WORLD-JAPAN

Também poderá obter informações em:
Bastidores: Multilingual coronavirus hotlines in Japan
www.nhk.or.jp/nhkworld/en/news/backstories/1019/

A próxima pergunta é "Estou sofrendo abusos do meu parceiro. A quem devo pedir ajuda?"

Vítimas da violência doméstica podem recorrer a vários recursos, como pedir ajuda por telefone e redes sociais. Também podem obter serviços de intérprete no local e informações sobre abrigos.

Consultas através de redes sociais, disponíveis 24 horas, em 11 línguas
https://soudanplus.jp/pt/index.html
*Você está saindo do site da NHK WORLD-JAPAN

Centro de apoio e orientação para casos de violência doméstica

O telefone é 0570-0-55210, e o serviço é disponível somente em japonês. Irá encaminhar a pessoa ao centro de apoio mais próximo.

Consultas sobre violência doméstica Plus

O telefone é 0120-279-889, e o serviço é disponível somente em japonês.

A terceira pergunta é "Estou grávida. Devo me preocupar com o coronavírus?"

Evidências indicam que gestantes não correm maiores riscos de ter agravamento do quadro em comparação com adultos saudáveis. A infecção pelo coronavírus no terceiro trimestre pode provocar o mesmo avanço e gravidade dos sintomas, como em mulheres que não estão grávidas.

Os dados mostram que não há necessidade de ficar extremamente preocupada com Covid-19 durante a gravidez. Contudo, deve adotar medidas preventivas, tais como evitar aglomerações, lavar as mãos com frequência e cuidar de condições físicas e emocionais diariamente.

Link multilíngue para maiores informações:
https://share.or.jp/english/news/for_pregnant_womencovid-19_countermeasures.html
*Você está saindo do site da NHK WORLD-JAPAN

Versão em japonês simplificado do programa Heart Net TV, da NHK, transmitido no Japão.
www.nhk.or.jp/heart-net/article/339
*Você está saindo do site da NHK WORLD-JAPAN




39. Quais cuidados devemos ter ao usar o aparelho de ar-condicionado?

Especialistas da NHK respondem a perguntas de nossos ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta desta vez é: quais cuidados devemos ter ao usar o aparelho de ar-condicionado?

Com o início do verão no Hemisfério Norte, algumas pessoas podem estar preocupadas quanto a ventilação no espaço coberto pelo ar-condicionado. Boa parte dos aparelhos de ar-condicionado domésticos recirculam o ar interno e não possuem funções de ventilação. Muitas pessoas, provavelmente, mantêm as janelas fechadas ao utilizarem o ar-condicionado.

O professor associado Yamamoto Yoshihide, da Universidade Politécnica de Tóquio, também é membro do Instituto Japonês de Arquitetura. Sua principal área de estudos inclui ventilação em edifícios. Ele propõe a combinação de ar-condicionado e ventilação natural.

Em regiões com quatro estações do ano bem definidas, Yamamoto recomenda abrir um pouco as janelas para fazer com que o ar externo entre no início do verão, quando o calor não é tão intenso. Quando o ambiente ficar muito quente, o ar deve ser refrigerado fechando-se brevemente as janelas ou estreitando-se a abertura.

Já no meio do verão, quando aumenta o risco de insolação, o professor associado recomenda o uso ativo de ventiladores em espaços de casa, tais como o banheiro e a cozinha, em vez de abrir as janelas. O mesmo também vale para regiões tropicais.

Grande parte das casas são projetadas para que o ar externo entre quando ventiladores são usados. Isso criaria um fluxo de ar entre os lados interno e externo de uma construção, mesmo com as janelas fechadas. Consulte um especialista para saber como funciona a ventilação em sua casa.

Estas informações são referentes ao dia 10 de junho.





40. Quais cuidados devemos ter ao usar máscara de proteção durante o verão?

A NHK responde a perguntas de nossos ouvintes sobre o novo coronavírus. Desta vez, a pergunta é: quais cuidados devemos ter ao usar máscara de proteção durante o verão?

O Hemisfério Norte está prestes a enfrentar o calor intenso do verão. O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão afirma que é necessário tomar mais cuidado com a insolação este ano, já que muitas pessoas estão usando máscaras de proteção contra o coronavírus.

A pasta aconselha que as pessoas tirem suas máscaras, caso mantenham um distanciamento social suficiente (dois metros, pelo menos). Pede ainda que as pessoas evitem trabalhos ou exercícios extenuantes quando estiverem usando máscaras. O Ministério da Saúde também recomenda que as pessoas bebam água com frequência, mesmo quando não estejam com sede.

O professor Yokobori Shoji, da Escola de Pós-Graduação da Escola de Medicina Nippon, é especialista em insolação. Segundo ele, usar uma máscara não faz com que uma pessoa se torne necessariamente suscetível à insolação. Contudo, Yokobori diz que usar máscara dificulta a respiração. Existem dados mostrando que batidas cardíacas e a taxa de respiração aumentaram 10% com o uso de máscaras. O professor aponta que a carga adicional de exercício físico ou o aumento da temperatura do ar eleva o risco de insolação.

Yokobori Shoji afirma que é importante prevenir uma possível transmissão por via aérea, mas idosos e pessoas que moram sozinhas devem ter ainda mais cuidado com a insolação. Quando estiverem em um ambiente externo, ele aconselha que as pessoas tirem suas máscaras e descansem em locais não congestionados, como, por exemplo, sob uma árvore. Ele recomenda ainda trocar de máscara ao suar, já que uma quantidade menor de ar passa por máscaras úmidas.

Estas informações são referentes ao dia 11 de junho.





41. Os raios ultravioleta do sol ou o ozônio, usado para esterilização, são eficazes contra o novo coronavírus?

A NHK responde perguntas enviadas pelos ouvintes sobre o Coronavírus. A pergunta de hoje é: "Os raios ultravioleta do sol ou o ozônio, usado para esterilização, são eficazes contra o novo coronavírus?"

Conversamos com Ohge Hiroki, professor da Universidade de Hiroshima especializado em doenças contagiosas. Segundo Ohge, há expectativas de que a exposição à raios ultravioleta de alta intensidade e de um comprimento de onda específico contra vírus e bactérias que causam várias doenças seja eficaz para diminuir sua capacidade de infecção.

Aparelhos que emitem raios ultravioleta altamente eficazes já são utilizados na prática, e há expectativas de que eles serão eficazes no combate do novo coronavírus. Um aparelho está sendo utilizado no Hospital da Universidade de Hiroshima, depois de pacientes de coronavírus receberem alta, emitindo raios ultravioleta para esterilizar todo o quarto.

Por outro lado, acredita-se que a luz do sol não seja eficaz para destruir vírus similares que podem ser destruídos com o aparelho de luz ultravioleta. Isso é porque a luz do sol tem vários raios, incluindo raios ultravioleta. Além disso, os raios ultravioleta emitidos pelo sol não são da mesma intensidade daqueles criados pelos aparelhos.

Por outro lado, de acordo com um relatório divulgado em maio por um grupo de pesquisadores de universidades no Japão, foi descoberto que a capacidade de contágio do novo coronavírus diminui após a exposição do mesmo a altas concentrações de ozônio por cerca de uma hora. Segundo Ohge, o ozônio utilizado na experiência tinha uma concentração entre 1 e 6 ppm, que é considerada prejudicial a seres humanos.

Aparelhos que usam ozônio para esterilização e desodorização, vendidos para uso geral, não usam o gás num nível tão alto de concentração, e não foi confirmado se o ozônio em concentrações tão baixas seria eficaz no combate ao novo coronavírus.

A Agência de Assuntos relacionados ao Consumo do Japão está pedindo aos usuários que confirmem com os fabricantes se eles têm embasamento científico para dizer que seus produtos, incluindo aqueles que incluem ozônio, são realmente eficazes contra o coronavírus.





42. O que acontece com o coronavírus na pele humana?

NHK responde às perguntas dos ouvintes sobre o coronavírus. As questões de hoje são: "O que acontece com o vírus na pele humana?" e "O vírus permanece no corpo mesmo sem a pessoa apresentar sintomas?"

Quem responde é o professor Kunishima Hiroyuki, especialista em doenças infecciosas da Escola de Medicina da Universidade Santa Mariana. Ele afirma que o vírus não é capaz de se multiplicar a não ser que entre e infecte as células de um ser vivo.

O novo coronavírus é conhecido principalmente por infectar pessoas por meio das membranas nasal ou bucal, e se multiplicar nas células da garganta, pulmão ou em outros órgãos. O vírus não se multiplica se estiver somente na superfície das mãos da pele da pessoa.

Mas se uma pessoa tiver o vírus nas mãos e, então, tocar os olhos, nariz ou a boca, ela pode se infectar. O vírus na pele da pessoa pode ser eliminado ao ser lavado com sabão. Portanto, as pessoas devem manter uma boa higiene, lavando bem as mãos ou usando desinfetantes, como álcool em gel, antes de encostar no rosto.

Alguns vírus, tais como o herpes, que causa catapora, permanecem no corpo mesmo após a pessoa se recuperar. Mas, de forma geral, o coronavírus é diferente. Por isso, caso a pessoa esteja infectada e apresente sintomas, o sistema imune é ativado e o vírus desaparece do corpo.

Estas informações são precisas referentes ao dia 15 de junho.





43. A vacina BCG é eficaz contra o coronavírus?

A NHK responde a perguntas de ouvintes sobre o novo coronavírus. Desta vez, a pergunta é: é verdade que nos países em que a vacina BCG contra a tuberculose é usada, há menos incidência de mortes por coronavírus?

A vacina BCG é feita a partir de uma cepa enfraquecida de bactéria que causa tuberculose em vacas e é semelhante à bactéria que causa a doença em humanos. No Japão, todos os bebês tomam a vacina BCG antes de completarem um ano de vida. Políticas de vacinação pelo BCG variam de país para território. Os Estados Unidos e a Itália estão entre os países que não possuem um programa de vacinação universal pelo BCG.

Segundo alguns pesquisadores de fora do Japão, lugares com programas de vacinação permanente pelo BCG registram menos mortes em decorrência do coronavírus. Testes clínicos estão sendo realizados na Austrália e nos Países Baixos para estudar se o BCG está vinculado à prevenção de infecção pelo coronavírus e à prevenção na piora dos sintomas.

No dia 3 de abril, a Sociedade Japonesa de Vacinologia apresentou seu parecer sobre a questão. De acordo com a entidade, a eficácia do BCG contra o vírus ainda precisa ser confirmada cientificamente e, no momento, a vacinação como uma medida de prevenção não é recomendável.

A Sociedade Japonesa de Vacinologia afirmou que algumas pessoas idosas que não receberam a vacinação pelo BCG estão pedindo para ser vacinadas como uma forma de proteção contra o coronavírus. No entanto, a entidade disse que o BCG é uma vacina para crianças e que sua eficácia e segurança em idosos ainda não foram confirmadas.

Ainda de acordo com a Sociedade Japonesa de Vacinologia, é necessário evitar o aumento no emprego do BCG fora de sua aplicação planejada, já que isso pode provocar uma interrupção no suprimento estável da vacina para crianças.

Estas informações são referentes ao dia 17 de junho.





44. É possível eliminar o vírus de embalagens ao aquecê-las no micro-ondas?

NHK responde às perguntas dos ouvintes sobre o novo coronavírus. E a questão de hoje é: "Se a embalagem de um alimento estiver infectada com o vírus, é possível eliminá-lo ao esquentar a comida no micro-ondas?"

Aparelhos de micro-ondas utilizam ondas eletromagnéticas para movimentar as moléculas de água de um alimento e esquentá-lo.

A professora Sugawara Erisa, da escola de pós-graduação da Universidade de Cuidados de Saúde de Tóquio, é especialista em prevenção de infecções. Ela afirma que caso seja aquecido de maneira suficiente em um micro-ondas, o alimento, por si só, é seguro para comer. Mas aponta que não há evidência para saber se o aquecimento da superfície de uma embalagem é suficiente para eliminar o vírus.

Sugawara diz que é importante lavar as mãos com frequência, antes e depois de cozinhar ou de comer.

Informações referentes ao dia 18 de junho.





45. O que acontece com o coronavírus quando ele é congelado?

Especialistas da NHK respondem às perguntas sobre o novo coronavírus enviadas por seus ouvintes. A pergunta de hoje é “O que acontece com o coronavírus quando ele é congelado”?

Conversamos com Sugawara Erisa, professora da Escola de Pós-Graduação da Universidade Tokyo Healthcare, especializada em prevenção de infecções.

Embora ainda existam muitas dúvidas sobre as características do novo coronavírus, estudos sobre o vírus da síndrome respiratória aguda grave, conhecida como SARS, um outro tipo similar do coronavírus, já têm sido realizados a nível internacional.

De acordo com essas pesquisas, o vírus da SARS morreu quando testado em um ambiente com uma temperatura relativamente alta de 56º Celsius, mas foi capaz de sobreviver a temperaturas de congelamento de 80º Celsius negativos por cerca de três semanas. O estudo indica que o novo coronavírus pode ser fraco em relação ao calor, mas relativamente forte a baixas temperaturas.

Sugawara Erisa diz que, por exemplo, se o novo coronavírus for encontrado na superfície de alimentos, pode se supor que ele sobreviverá no refrigerador ou no congelador por um certo período de tempo. Portanto, ela aconselha a desinfetar a embalagem externa do produto antes de colocá-lo no refrigerador ou congelador, e lavar bem as mãos antes e após cozinhá-los. Sugawara diz que a maioria dos produtos pode ser consumida com segurança após aquecê-los.

Esta informação é do dia 19 de junho.





46. Por quanto tempo o coronavírus sobrevive na superfície de objetos?

A NHK responde às perguntas de nossos ouvintes sobre o novo coronavírus. E a questão de hoje é: “Por quanto tempo o vírus sobrevive na superfície de objetos?”

Um relatório de pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos e outras organizações afirma que o vírus desaparece significativamente da superfície de objetos com o passar do tempo. Por exemplo, o coronavírus não pôde ser detectado em superfícies de cobre após 4 horas, e desapareceu da superfície de caixas de papelão após 24 horas. No entanto, o vírus permaneceu em plásticos por 72 horas e em aço inoxidável, por 48 horas.

Informações referentes ao dia 22 de junho.





47. O coronavírus é transmissível através de dinheiro?

A NHK vem respondendo a questões dos nossos ouvintes sobre o novo coronavírus. Desta vez, a pergunta é: "é possível contrair o vírus através de dinheiro?"

De acordo com Mikamo Hiroshige, especialista em controle de infecções e professor da Universidade de Medicina de Aichi, a resposta depende do volume do vírus. Segundo ele, é melhor considerar que o vírus irá permanecer em notas e moedas por algum tempo caso alguém que tenha o vírus em suas mãos as toque. Para evitar contrair o vírus, após o manuseio de notas ou moedas, é importante lavar as mãos com sabão ou desinfetá-las com álcool ou outros produtos higienizadores antes de tocar na sua boca ou nariz. O professor recomenda ainda que essas medidas sejam tomadas após você tocar em qualquer coisa que tenha acabado de comprar.

As informações aqui disponíveis são referentes ao dia 23 de junho.





48. Em quais circunstâncias o coronavírus se reproduz?

A NHK responde às perguntas de nossos ouvintes sobre o novo coronavírus. A questão de hoje é: "Em quais circunstâncias o coronavírus se reproduz? O vírus só se multiplica dentro do nosso corpo?"

Quem responde é o professor Kunishima Hiroyuki, da escola de Medicina da Universidade Santa Mariana e especialista em doenças infecciosas. Kunishima explica que vírus e bactérias são alguns dos micro-organismos que causam doenças.

Bactérias são uma forma primitiva de vida compostas por uma única célula, e podem se reproduzir sozinhas.

Vírus são muito menores que bactérias e consistem em genes, ou ácido nucleico, e uma cobertura protetora. Vírus não possuem células e portanto, não podem se reproduzir sozinhos. Só conseguem se replicar dentro da célula de um ser vivo após infectá-lo.

Isso significa que o novo coronavírus não se multiplica em paredes ou em outras superfícies que venha a contaminar. No entanto, sabemos que o vírus preserva sua capacidade de infectar seres vivos mesmo estando em uma superfície por um certo tempo.

O professor Kunishima explica que as pessoas tendem a tocar áreas contaminadas ao sair de casa, como por exemplo, maçanetas e apoios para as mãos. Ele afirma que, para prevenir a infecção, você deve lavar as mãos ou esfregá-las com desinfetante à base de álcool ao chegar em casa, no escritório, ou antes de comer.

Informações referentes ao dia 24 de junho.





49. A gripe espanhola e o novo coronavírus

A NHK responde a perguntas de ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta de hoje é: “eu ouvi dizer que a pandemia de gripe espanhola teve três ondas. Gostaria de saber mais a respeito.”

A pandemia de influenza de 1918, também chamada de gripe espanhola, foi provocada por uma nova cepa do vírus da influenza. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 500 milhões de pessoas, ou aproximadamente um quarto da população mundial da época, foram infectados, e 40 milhões acabaram morrendo.

A gripe espanhola se disseminou globalmente da primeira vez a partir da primavera de 1918, tendo diminuído no verão. Contudo, uma segunda onda ocorreu no outono do mesmo ano e, posteriormente, uma terceira onda foi registrada no início de 1919. Pensa-se que a segunda onda tenha sido a mais letal, além de responsável por pelo menos 20 milhões de mortes ao redor do mundo.

No Japão, a pandemia de gripe espanhola ocorreu em três ondas, entre o outono de 1918 e a primavera de 1921. Registros mantidos pelo Ministério do Interior mostram que, ao todo, cerca de 23,8 milhões de pessoas foram infectadas e 390 mil perderam a vida.

O Japão registrou o maior alastramento na primeira onda iniciada no outono de 1918, com 21,2 milhões de infectados e 260 mil mortos. A partir do outono de 1919, a segunda onda desencadeou uma epidemia de menores proporções, com 2,4 milhões de casos e 130 mil mortes. No entanto, a taxa de mortalidade foi a mais alta na segunda onda.

Atualmente, especialistas advertem que a nova pandemia de coronavírus pode ocasionar uma segunda e terceira ondas, como no caso da gripe espanhola.

Estas informações são referentes ao dia 24 de junho.





50. Vai haver novas ondas de contágio com o novo coronavírus, como aconteceu com a gripe espanhola?

A NHK está respondendo perguntas dos ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta de hoje é: "Vai haver uma segunda e terceira ondas do novo coronavírus, como aconteceu com a gripe espanhola?"

Segundo especialistas, pode acontecer um segundo ou terceiro surtos do coronavírus.

Hamada Atsuo, professor da Universidade de Medicina de Tóquio, explica que depois que a atual pandemia diminuir, outro grande surto poderá ocorrer no outono ou no inverno do hemisfério norte, ou seja no segundo semestre ou no começo de 2021. Ele disse ainda que uma nova onda de contágio pode acontecer antes, causada por um aumento no número de viajantes depois do término do estado de emergência em todo o país, ou por casos vindos de outros países, depois que o Japão retirar as restrições de viagens.

Segundo o professor Hamada, não é possível ter certeza que o novo coronavírus vai seguir o mesmo padrão que foi visto durante a pandemia da gripe espanhola, mas ele disse que há uma alta possibilidade da pandemia de coronavírus ocorrer em ondas. Ele disse que, no momento, o número de novos casos está sendo controlado, mas que é importante todos permanecerem vigilantes e continuarem tomando medidas de prevenção contra o contágio no seu dia a dia, e para o Japão continuar fortalecendo seu sistema médico em preparação para uma nova onda de contágio.

Esta informação foi atualizada no dia 25 de junho.





51. Escovar os dentes ajuda a prevenir a disseminação do vírus?

Especialistas ouvidos pela NHK respondem a perguntas feitas por ouvintes a respeito do novo coronavírus. Desta vez a pergunta é “Escovar os dentes ajuda a prevenir a disseminação do vírus?”.

Tonami Kenichi, professor da Universidade de Medicina e Odontologia de Tóquio, foi consultado pela reportagem. Ele afirma que, no caso de gripe comum, entende-se que a saliva desempenhe um papel na prevenção do contágio por conter o vírus no interior da boca.

A proliferação de bactérias orais aumenta, porém, quando as pessoas deixam de escovar os dentes. As bactérias liberam enzimas que criam condições favoráveis ao contágio.

Acredita-se, assim, que a eliminação de bactérias por meio da higiene bucal ajude a prevenir as infecções.

Conforme o professor, embora não esteja claro que escovar os dentes tenha efeito idêntico no caso do coronavírus, a expectativa é de que seja em geral uma medida de prevenção.

Informações de 29 de junho.





52. Mosquitos podem transmitir coronavírus?

A NHK responde a perguntas dos ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta de hoje é: "Mosquitos podem transmitir o coronavírus?"

O site da Organização Mundial da Saúde (OMS) na internet diz claramente que: "o novo coronavírus não pode ser transmitido por picadas de mosquito". O texto explica que, até o momento, não há informações ou evidências que sugiram que o vírus possa ser transmitido por mosquitos.

A OMS diz: "o novo coronavírus é um vírus respiratório que se alastra principalmente através de gotículas geradas quando uma pessoa infectada tosse ou espirra, ou por meio de gotículas de saliva ou secreção nasal."

A entidade aconselha o seguinte: "Para se proteger, limpe as mãos frequentemente com álcool em gel ou lave-as com sabão e água. Além disso, evite manter contato próximo com qualquer um que esteja tossindo ou espirrando."

Estas informações são referentes ao dia 30 de junho.





53. Como funciona o sistema imunológico e qual é a sua importância?

A NHK responde a perguntas dos ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta de hoje é: “como funciona o sistema imunológico e qual é a sua importância?”

O sistema imunológico dos seres humanos e de outras criaturas defende o hospedeiro ao detectar, atacar e remover vírus, bactérias e outros organismos estranhos.

Células imunes, que são um tipo de células sanguíneas brancas, exercem um papel primordial ao combater uma infecção viral. Elas produzem uma grande quantidade de proteínas chamadas de anticorpos, que impedem a multiplicação do vírus dentro do organismo. Isso previne que o hospedeiro fique doente.

No entanto, quando um vírus desconhecido para o hospedeiro, como no caso do novo coronavírus, penetra o organismo, as células imunes não são capazes de produzir anticorpos a tempo para impedir a propagação do microorganismo estranho. É desse modo que o hospedeiro fica doente.

Seres humanos, porém, possuem outros mecanismos imunológicos, além da produção de anticorpos. Há outros tipos de células imunes no sangue e, caso eles trabalhem em conjunto, podem ser capazes de prevenir que o hospedeiro fique seriamente enfermo ou acelerar a sua recuperação.

O professor Motohashi Shinichiro, da Escola de Pós-Graduação de Medicina, da Universidade de Chiba, é especialista em imunologia. Segundo ele, uma dieta balanceada e sono suficiente são necessários para nutrir células imunes. Motohashi diz que nós deveríamos ter em mente que eles são essenciais para o funcionamento correto das células imunes.

Estas informações são referentes ao dia 24 de junho.





54. Existe alguma relação entre 'ter e não ter anticorpos' e 'testar positivo ou negativo no teste PCR'?

A NHK responde a perguntas dos ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta de hoje é: "existe alguma relação entre 'ter e não ter anticorpos' e 'testar positivo ou negativo no teste PCR'?"

Primeiramente, vamos observar o teste de anticorpos. Trata-se de um teste para checar se uma pessoa possui um tipo de proteína chamado de "anticorpo", que é criado por células imunes no sangue quando elas combatem vírus que infectam o organismo. No teste, algumas gotas de sangue são retiradas e a amostra coletada é colocada em um kit de teste. No entanto, é preciso ter em mente que a criação de anticorpos leva tempo e eles não podem ser detectados imediatamente após uma pessoa ter sido contagiada.

Em seguida, vamos observar o teste PCR. Ele determina com um alto grau de precisão se uma pessoa está infectada ou não com o vírus. Caso uma pessoa teste positivo, isso significa que ela tem vírus em seu organismo.

Contudo, costuma ser frequente que anticorpos não sejam detectados, já que eles ainda não foram criados. Por outro lado, se uma pessoa testa negativo no teste PCR, isso significa que provavelmente ela não está infectada. Ou pode significar, então, que o vírus foi extirpado do organismo da pessoa após a infecção. Nesse último caso, é possível que ela tenha testado positivo no teste de anticorpos.

Enquanto isso, um novo tipo de teste está sendo desenvolvido. Espera-se que ele detecte um outro tipo de anticorpo que, conforme é sabido, surge no sangue, imediatamente após o organismo ter sido infectado com o vírus. Existe muita esperança de que, caso seja colocado em uso prático, esse novo teste possa substituir o teste PCR. Ainda existem, porém, alguns obstáculos a serem superados em termos de precisão.

Estas informações são referentes ao dia 2 de julho.





55. Máscaras são eficazes na prevenção de infecção por coronavírus?

A NHK responde a pergunta dos ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta de hoje é: "Apesar de profissionais da saúde estarem usando máscaras, vejo notícias sobre médicos e enfermeiros sendo infectados. As máscaras são realmente eficazes na prevenção do contágio?"

Não se sabe claramente se as máscaras podem, de fato, evitar infecções. Entretanto, as máscaras descartáveis, que hoje estão sendo amplamente utilizadas, não bloqueiam totalmente o vírus, por isso acredita-se que sua eficácia na prevenção do contágio seja restrita.

No setor da saúde, os profissionais usam máscaras junto com vários outros meios de proteção, com base nas informações de especialistas. Contudo, dizem que as máscaras, por si só, não oferecem tanta proteção.

As do tipo N95 são máscaras médicas de alta qualidade que muitos profissionais de saúde utilizam em unidade de terapia intensiva. Elas podem filtrar vírus, mas tornam difícil a respiração dos usuários. Para o uso adequado da máscara N95, é necessário aprender de antemão o modo correto de colocar no rosto, assim como sua utilização.

Independentemente do tipo de máscara que for usar, o risco de infecção aumenta se tocar o rosto antes de desinfetar as mãos. Por outro lado, se for usada por alguém infectado pelo vírus, as máscaras poderiam reduzir significativamente o risco de contaminar outras pessoas.

Até agora, sabe-se que o novo coronavírus é transmitido basicamente por gotículas do sistema respiratório. Sabe-se, também, que uma pessoa infectada libera uma grande quantidade do vírus cerca de dois dias antes de começar a ter sintomas até o momento imediatamente após a apresentação dos mesmos. Acredita-se que o uso de uma máscara diminui consideravelmente a dispersão de gotículas geradas ao tossir ou espirrar, assim como microgotículas, que são minúsculas partículas emitidas ao conversar com alguém.

Falando a repórteres em maio, Omi Shigeru, vice-chefe de um painel do governo formado por especialistas, disse que quer que todos, independentemente de terem sintomas ou não, usem a máscara para reduzir o risco de disseminação do vírus. Ele afirmou que, embora haja várias opiniões sobre a utilização das máscaras, está havendo um consenso nessa questão em outros países e na Organização Mundial da Saúde.

Estas informações são do dia 3 de julho.





56. Como lavar máscaras de pano?

A NHK vem respondendo a questões dos ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta de hoje é: “Como devem ser lavadas as máscaras de pano?” O governo japonês distribuiu tais máscaras, afirmando que elas podem ser reutilizadas.

O ponto principal é não esfregar a máscara.

O Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão informa que a primeira etapa é colocá-la de molho em uma bacia com água e sabão por cerca de 10 minutos. A quantidade de sabão dependerá do produto, mas, de forma geral, pode ser necessário 0,7 grama – ou meia colher de chá – para cada dois litros de água. A seguir, a máscara deve ser lavada pressionando-a gentilmente com as mãos. Deve-se então enxaguar apenas com água em quantidade abundante na bacia.

Se preferir, a lavagem pode ser feita em máquina de lavar, desde que a máscara seja colocada em uma redinha própria para lavagem de roupas delicadas que tenha um tamanho próximo ao da máscara.

Retire todo o excesso de água da máscara com uma toalha limpa e deixe-a pendurada para secar à sombra.

De acordo com o ministério, é bom lavar as máscaras de pano uma vez por dia e a recomendação é que elas devem ser descartadas caso se desgastem e percam a sua forma.

As informações aqui apresentadas são do dia 6 de julho.





57. O uso de máscara de proteção sem cobrir o nariz

A NHK responde a perguntas dos ouvintes sobre o novo coronavírus. A pergunta de hoje é: "Algumas pessoas usam máscara de proteção sem cobrir o nariz. O que os especialistas pensam a respeito?"

O objetivo principal de usar uma máscara de proteção é prevenir a disseminação de gotículas respiratórias e para bloquear gotículas grandes emitidas por uma pessoa infectada. Caso seu nariz esteja exposto, gotículas de espirro vão se espalhar. Além disso, quando uma pessoa inspira, 90% da entrada de ar ocorre pelo nariz. Portanto, não cobrir seu nariz aumenta o risco de infecção.

Ao remover sua máscara de proteção, é necessário ter certeza de que há distanciamento físico suficiente. Fala-se que gotículas respiratórias podem cobrir uma distância de quase dois metros. Como uma medida para prevenir insolação, o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão recomenda remover a máscara de proteção quando se está a uma distância de pelo menos dois metros de outra pessoa.

A especialista em doenças infecciosas Sakamoto Fumie, do Hospital Internacional São Lucas, do Japão, afirma que as pessoas não precisam usar máscara de proteção todo o tempo, mas somente quando necessário. Sakamoto diz que o uso contínuo de máscara pode levar ao risco de insolação.

Escolher o material da máscara de proteção também é importante, especialmente nos meses quentes. Muitas pessoas confeccionam suas próprias máscaras fazendo uso de diferentes materiais. A Organização Mundial da Saúde (OMS) fornece informações sobre a eficácia de diferentes tipos de materiais para máscaras em termos de qualidade de respiração e eficiência de filtragem, que é a capacidade do material de filtrar gotículas. Segundo a OMS, o nylon proporciona alta eficiência na filtragem, mas pouca qualidade de respiração. Já o algodão para gaze facilita a respiração, mas sua eficiência de filtragem é baixa. A entidade diz que o algodão deve ser combinado com outros materiais para aumentar a eficiência de filtragem.

Um grupo de médicos especializados em pediatria afirma que máscaras de proteção não devem ser usadas em crianças com menos de dois anos de idade por causa do risco de sufocamento.

Sakamoto Fumie, do Hospital Internacional São Lucas, diz que não apenas o uso de máscara de proteção, mas a adoção de medidas preventivas básicas, tais como desinfetar as mãos e evitar espaços fechados, lugares cheios e contato próximo, é o mais importante.

Estas informações são referentes ao dia 8 de julho.





58. Viseiras de proteção facial podem substituir máscaras?

A NHK e especialistas respondem a perguntas feitas por ouvintes sobre o novo coronavírus. Desta vez a pergunta é: "Para prevenir o contágio, no lugar de máscara, convém o uso de viseira ou queixeira de proteção facial, normalmente usadas por médicos e enfermeiros?"

As viseiras ou queixeiras de proteção são usadas para cobrir a totalidade do rosto ou apenas a parte inferior da face. A finalidade principal é impedir que o vírus ingresse no organismo por via ocular. Profissionais em instituições médico-hospitalares no Japão usam sempre máscara e viseira de proteção facial.

Sugawara Erisa, professora de pós-graduação da Universidade de Medicina Assistencial de Tóquio, diz que, assim como a máscara de pano, a viseira é útil quando as pessoas conversam com uma grande proximidade entre si. Explica que o artefato impede que o usuário lance gotículas de saliva em direção aos demais.

Ela adverte, porém, que a viseira não protege suficientemente de contágio quem a utiliza. É eficaz ao impedir o usuário de tocar com as mãos o nariz ou a boca, mas não impede que o vírus ingresse no organismo por via de membranas nasais ou bucais.

A professora explica que, ao usar a viseira facial, o indivíduo deve evitar qualquer toque na superfície externa da proteção, que poderá estar contaminada com o vírus. Após o uso, deve-se limpá-la com álcool ou lavá-la com sabão.

Sugawara acrescenta que o modo mais eficaz de prevenir infecções é reduzir ao mínimo possível os contatos pessoais e lavar as mãos com frequência.

Informações de 9 de julho.





59. Desinfetantes de aerosol usados em tecidos podem ser usados para higienizar as mãos?

A NHK e especialistas respondem às perguntas enviadas pelos ouvintes a respeito do novo coronavírus. A questão de hoje é: “Desinfetantes de aerosol usados em tecidos servem para higienizar as mãos?"

Perguntamos a duas grandes empresas desse mercado, a Kao Corporation e a Proctor & Gamble Japan, ou P&G Japan, que produzem e vendem desinfetantes para uso em tecidos. Ambas dizem que os usuários devem evitar usá-los para higienizar as mãos.

A Kao diz que os produtos desinfetantes são desenvolvidos para diversas finalidades, e que aqueles feitos para tecidos não devem ser usados em contato com a pele.

Por sua vez, a P&G Japan diz que esses produtos visam dezodorizar e higienizar tecidos usados nos lares. A companhia acrescentou que os usuários devem evitar usar nas mãos produtos de aerosol que são feitos para a utilização em superfícies duras, tais como maçanetas e mesas.

A informação foi atualizada no dia 10 de julho.





60. Que cuidados tomar ao procurar abrigo em meio a um desastre natural durante a pandemia?

A NHK responde a perguntas dos ouvintes sobre o novo coronavírus. E a questão de hoje é: “Que cuidados devo ter ao procurar abrigo em meio a um desastre natural durante a pandemia?”

O coronavírus pode se disseminar caso muitas pessoas se abriguem em um centro temporário na ocasião de um desastre. Então, a partir de agora, será importante que pessoas de uma comunidade afetada se dirijam não somente aos centros de evacuação, mas também que procurem abrigo na casa de parentes, conhecidos ou em hotéis. Também há opção de permanecer em casa ou se refugiar no próprio carro.

Caso possa contar com parentes ou amigos que residam em áreas seguras, você deve considerar a possibilidade de se hospedar com eles para evitar que os centros de abrigo temporário fiquem lotados.

Outra opção é permanecer em seu próprio domicílio, caso more em um andar alto de um prédio ou em construção com estrutura robusta, que não seja localizada em região perigosa, como perto de rios, em áreas de baixada ou na encosta de montanhas.

Dormir temporariamente no carro também pode ser uma opção, caso sua região não esteja sob risco de inundações, na encosta de montanhas ou perto de edifícios danificados. Caso opte por se abrigar em seu carro, você deve se lembrar de se exercitar com regularidade e de ventilar o interior do veículo.

No entanto, caso esteja preocupado com a situação ao seu redor, você deve ir direto para um abrigo temporário, sem hesitar.

Informações de 13 de julho.